Brasil tem governo rico com cidadãos pobres

SABE

Blog

voltar

Brasil tem governo rico com cidadãos pobres

13/05/2019

“A estatização é um câncer que corrói o organismo econômico de um país. Provoca empreguismo, corrompe, degrada e induz a toda sorte de ineficiências. É fundamental privatizar tudo o que for possível, sobretudo os ditos ‘setores estratégicos’"

Ney Carvalho – escritor e historiador

O governo federal anunciou em 8/mai/2019 a inclusão de 59 novos bens públicos na lista para privatização ou licitação por meio do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos). O secretário especial do PPI, Adalberto Vasconcellos, afirmou que esses novos projetos deverão atrair R$ 1,6 trilhão de investimentos durante todo o prazo de concessão. O PPI foi criado no governo do ex-presidente Michel Temer para atrair investimentos privados a obras de infraestrutura que o governo não tem condições de bancar (Fonte: UOL).

Para o secretário de privatização Salim Mattar não existe estatal eficiente. Salim avalia que não haverá falta de interesse nas privatizações, pois há 1,5 trilhão de dólares sobrando no mundo à espera de investimentos, sobretudo em países emergentes. “Quando olhamos para os ativos que o Estado tem, notamos um país rico com cidadãos pobres”, disse o secretário.

Imagine agora se as estatais privatizadas abrissem seu capital para captar os recursos que não estão ao alcance do governo. Um sonho possível de realizar e que poderia tornar o Brasil uma das cinco maiores economias em menos de 10 anos. Veja a seguir o que a B3 está fazendo nessa direção.

Abrir capital no Brasil custa quase a metade que nos EUA

Notícia veiculada no Valor mostra que a bolsa brasileira tem um argumento poderoso para ajudá-la em sua empreitada de atrair companhias locais para listagem e demovê-las da ideia de uma oferta única em bolsas americanas. Conforme uma pesquisa recém-concluída pela consultoria PwC em parceria com a B3, o custo da abertura de capital no Brasil é quase a metade do custo de listagem em bolsas americanas. Também é menor o custo de manutenção como empresa aberta.

Uma oferta pública inicial de ações (IPO) custa, em média, de 2,5% a 5,6% do volume captado. Quanto maior a oferta, mais diluídos os custos. Ou seja, o menor percentual vale para ofertas acima de US$ 1 bilhão e o maior é registrado em ofertas de até US$ 100 milhões. Nos Estados Unidos, essa média varia de 4% a 11,7%, conforme o tamanho da oferta. Leia mais...

Desempenho do Ibovespa

Em 2019, até 10/mai, o Ibovespa variou 7,11%, queda de 1,99 pontos em relação à variação da semana anterior, se mantendo acima da renda fixa.

Nos últimos 21 pregões o Ibovespa cedeu 2,11%, com redução de 2,76 pontos percentuais em relação à última semana, com leve tendência de alta. O índice fechou a semana encerrada em 03/mai com 94.257 pontos, tendo variação negativa de 1,82% nesse breve período, com 3,21 pontos abaixo da variação da semana anterior.

A incerteza sobre o futuro do país tem mantido o Ibovespa com variações minúsculas em relação ao pregão do dia anterior, favorecendo exclusivamente aos apostadores de curto prazo. Na 2ª feira subiu 0,50%, na 3ª caiu 0,65%, na 4ª subiu 1,28 %, na 5ª teve queda de 0,83% e finalmente na 6ª feira cedeu 0,58%, fechando a 94.257 pontos.

A tendência primária (longo prazo) do Ibovespa continua de alta. O mercado continua na expectativa da retomada da economia, mas enquanto as reformas não avançarem o comportamento da nossa bolsa continuará refletindo as especulações. Entretanto, os balanços do 1º trimestre sinalizarão perspectivas com maior grau de fundamento econômico e, portanto, de realidade.

Veja a seguir o desempenho da bolsa brasileira, medido pelo Ibovespa em pontos, em diferentes intervalos de tempo.


Com a manutenção da SELIC baixa no patamar de 6,5% ao ano ou em menor nível, como esperado pelo mercado, os investidores terão que buscar alternativas com maior risco, caso queiram obter retornos melhores. Para proteger o patrimônio, a renda fixa continua sendo uma boa alternativa, mas para ganhar dinheiro “de verdade” as ações são a melhor opção.

Dentre as alternativas de aplicações com maior risco, as Ações de companhias com qualidade de gestão e desempenho consistente no longo prazo, as chamadas “SABE Campeãs”, trazem excelentes oportunidades de investimentos. Quem não quiser gerenciar risco vai ter que se contentar com algo tipo 0,50% de retorno real ao mês! A mudança do paradigma Renda Fixa X Renda Variável, na nossa opinião, é uma questão de tempo...

O conjunto de estatísticas mostrado ajuda o leitor a perceber os movimentos cíclicos da bolsa brasileira, em especial sobre os que têm (e os que não têm) fundamento técnico. Confira a evolução do “termômetro da bolsa” no gráfico abaixo e perceba as diferenças entre as tendências (linha pontilhada em amarelo) e as volatilidades do Ibovespa no longo prazo (quase cinco anos) e nos últimos 21 pregões:


A SABE não pretende nem se dispõe a ensinar/instruir como investir no mercado de ações nem, muito menos, quais e quando comprar/vender ações: para isso recomendamos consultar a sua Corretora. SABE é o suporte imprescindível para quem já atua neste mercado ou já tomou a decisão de nele participar.

SABE Invest


O SABE Alerta é apenas a “ponta de um iceberg” quando comparado ao acervo de informações que o Big Data SABE tem à disposição de investidores e gestores de investimentos em ações: são 120.000 demonstrações financeiras padronizadas de TODAS as companhias abertas desde 1994 e os preços de suas ações ajustadas dos últimos cinco anos.

Conheça o SABE Intelligence, a maneira revolucionária de selecionar empresas de desempenho destacado com a inteligência artificial e tomar decisões de investimentos em ações com maior probabilidade de acerto.

Luiz Guilherme Dias
SABE | Inteligência em Ações da Bolsa

Comentários