SABE

notícias

O Brasil tem 5 Bancos e 200 milhões de Patetas!

17/02/2020

O ministro Paulo Guedes, afirmou que, quando o dólar estava próximo a R$ 1,80, as exportações caíam, mas o país tinha "todo mundo indo para Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia". Guedes, ao dar o exemplo da empregada doméstica, quis dizer que a taxa de câmbio estava tão valorizada (real fortalecido) que todo mundo estava indo para a Disneylândia, até classes sociais mais baixas. No Brasil dos 5 bancos e 200 milhões de patetas a reação foi intensa!

continue lendo -->

A Bolsa chegou na favela!!

10/02/2020

Três jovens da periferia de São Paulo criaram o canal “Favelado Investidor” no YouTube para mostrar que qualquer pessoa, de qualquer classe social, pode melhorar suas finanças -- e sonhar alto. Questionados sobre como uma pessoa com poucos recursos financeiros pode investir sem que o dinheiro lhe faça falta no final do mês, os jovens têm a resposta na ponta da língua. “Por meio da educação financeira”. Vida longa para esses jovens que acreditam no capitalismo e levam a boa informação para pessoas simples de comunidades.

continue lendo -->

A importância dos índices da B3

05/02/2020

Você sabe para que serve os índices criados pelo mercado de ações? Eles são importantes porque servem de referência para os investidores nacionais e internacionais. Quer entender um pouco melhor o Ibovespa e os critérios dos demais indicadores da B3? Vem saber mais!

continue lendo -->

Medo + Incerteza = “velho anormal”

03/02/2020

O medo e a incerteza de que o coronavírus se alastre pelo planeta trouxe de volta o “velho anormal” ao mercado mundial, em especial ao nosso país. A busca por segurança levou os investidores a venderam ações de maneira generalizada, buscando refúgio em moedas fortes, como o dólar. Parte dos investidores repercutiu o pânico e se desfez de suas posições na baixa, antecipando perdas. Faltou a esses coragem e, obviamente, experiência.

continue lendo -->

Capitalismo dos Stakeholders vem aí...

27/01/2020

Um ano após o rompimento da barragem de Brumadinho, que deixou 259 mortos e 11 desaparecidos, a Vale conseguiu recuperar a confiança dos investidores. Ao menos junto aos investidores, os danos já foram recuperados. Segundo um renomado analista do mercado, "O mercado financeiro não tem coração, se o papel ficou barato, o investidor compra de novo." Além das 11 famílias que ainda aguardam para poder enterrar seus entes, são vários os relatos de sobreviventes que se queixam falta de assistência da companhia, enfrentam depressão e distúrbios psicológicos, e buscam por justiça. Até hoje, ninguém foi preso ou responsabilizado.

continue lendo -->

Otimismo X Pessimismo: quem ganha?

20/01/2020

Como esperado pelos analistas financeiros, a queda da inflação com a consequente redução da taxa de juros, teve forte impacto na alocação de recursos via mercado de capitais. A queda dos juros vem afetando o mercado em diferentes partes do mundo, com alguns países ocidentais convivendo com taxas de juros negativas, como é o caso da Alemanha, França, Japão e Bélgica.

continue lendo -->

Desafios para o Brasil manter a rota de crescimento

15/01/2020

O desafio daqui para frente não é mais crescimento sem inflação, mas sim crescimento com menos desigualdade social, o que vale não só para o Brasil como para muitos outros países.

continue lendo -->

É hora de privatizar!!

13/01/2020

Vistos pelo prisma das finanças públicas, os recursos da privatização de empresas estatais deveriam servir para reduzir a dívida do governo. Assim fez FHC. Afinal, boa parte dos fundos para criar ou capitalizar essas empresas vem do endividamento público. Utilizá-los em gastos correntes equivaleria à situação da família endividada que vende patrimônio. Não se deveria despendê-los enquanto a dívida onerasse o Orçamento.

continue lendo -->

Brasil: país do futuro até quando?

06/01/2020

Em 2019 o Ibovespa subiu 31,6% , saindo de 87.887 pontos em dezembro de 2018 para 115.645 pontos no fechamento de 30/12/2019. O Índice das Small Caps (SMLL) terminou o ano com alta de 58,2% e o Índice Dividendos (IDIV) fechou o ano com alta de 45,2%, ambos bem acima do Ibovespa. Percebemos assim que a forte demanda dos brasileiros por ativos de mais risco foi um motor para as altas.

continue lendo -->

SABE Alerta

Assine e tenha acesso às melhores informações
para fundamentar suas decisões de investimentos em ações.