SABE

notícias

Propósito de empresa é necessário?

06/09/2021

Propósito vem do latim “proponere”, que significa “colocar à frente”. É um termo muito utilizado para declarar aquilo em que acreditamos e que verdadeiramente faz o coração bater mais forte. Não se trata só de uma frase de efeito, é a descrição de um objetivo superior, muitas vezes com viés social, destinado a melhorar a vida das pessoas e do planeta.

continue lendo -->

Marca: vale a pena mudar?

30/08/2021

Apesar do marketing não ser a nossa praia, achamos muito curioso o fato de uma empresa mudar o nome de sua marca. Há tempos atrás a Kroton passou a se chamar Cogna e a Estacio mudou para Yduqs. Recentemente, empresas longevas fizeram o mesmo: BR Distribuidora agora é Vibra e Duratex virou Dexco. Para nós, mudar o nome da marca é compreensível quando a empresa tem intenção de “apagar” seu passado, como foi o caso de empresas envolvidas com a Lava-Jato.

continue lendo -->

Percepção de risco maior

23/08/2021

O momento é de percepção de risco maior, incluindo as incertezas com o ambiente global, os riscos fiscais em especial pelo objetivo de promover um programa social reforçado e o novo ciclo de aperto monetário promovido pelo BC. De acordo com o último Boletim Focus, a expectativa para o IPCA de 2022 subiu para 3,9%, quarta alta seguida, frente à meta de 3,5%.

continue lendo -->

Resultados 1S2021 voltam a surpreender!!

16/08/2021

Os resultados dos balanços do 1º Semestre de 2021 voltam a surpreender. Excluindo da amostra Petrobras e Vale para reduzir distorções, as receitas cresceram 30,4% de R$ 665,1 bi para R$ 867,6 bi, enquanto que os resultados líquidos (lucros/prejuízos) subiram mais de 12 vezes, saindo de um total de R$ 703,7 milhões para R$ 90,8 bi, reforçando o ânimo para a retomada da economia.

continue lendo -->

Selic a 5,25%: renda fixa ou variável?

09/08/2021

Para nós da Sabe, ação é o melhor investimento que existe, mas sob certas condições, como: horizonte de longo prazo para o investimento (mínimo de 2 anos), desempenho econômico-financeiro da companhia (últimos 3 anos), nível de governança corporativa e qualidade da administração. Em outras palavras, se a decisão de investir tem como base os principais fundamentos da companhia, a chance de obter retorno é alta.

continue lendo -->

O urso contra-ataca

02/08/2021

O aumento da percepção de risco trouxe de volta no dia 30 de julho o contra-ataque do urso (“bear market”), com um volume negociado de R$35,5 bi e queda expressiva de 3,08% do Ibovespa. As três maiores baixas foram de Localiza ON (-7,36%), Vale ON (-5,89%) e Banco Inter UNT (-5,99%), enquanto que as três maiores altas ficaram com Telef BR (+0,39%), JBS ON (+0,34%) e Cielo ON (+0,30%).

continue lendo -->

Mineração e Siderurgia lideram valorização

26/07/2021

A evolução dos preços das ações Sid Nacional ON (CSNA3), Gerdau PN (GGBR4), Usiminas PNB (USIM5) e Vale ON (VALE3) confirmam a alta de um “superciclo” de commodities com valorizações expressivas, tanto em 2021 quanto nos últimos 5 anos, superando muito de longe o Ibovespa, cuja variação neste ano até o dia 23 de julho foi de apenas 5,07% e ao longo de 5 anos foi de 119,38%.

continue lendo -->

IPOs mais seletivos

19/07/2021

Diferentemente do que ocorreu no começo do ano, quando houve um volume muito forte de IPOs e follow-ons com preços considerados excessivamente elevados, agora as ofertas parecem mais acessíveis. E a combinação de empresas de maior qualidade e preços mais adequados deve justificar uma demanda mais aquecida em boa parte das operações. As empresas são boas e os preços, mais justos. “No começo do ano, o poder estava nas mãos das empresas; agora, parece que voltou para as mãos dos fundos”, diz um profissional do mercado.

continue lendo -->

Selic em alta ameaça ação?

12/07/2021

Com juros em baixo nível histórico (4,25% aa) o mercado se abriu para renda variável. Até meados da década passada a Selic superava facilmente os 15% ao ano. Era uma festa para os rentistas e uma verdadeira tragédia para o setor produtivo e para o mercado de capitais, que em um mundo de ganhos sem riscos, simplesmente não tinham espaço para se desenvolver. Os tempos da vida fácil das aplicações em renda fixa com alto retorno, baixo risco e alta liquidez, ficaram para trás ou retornarão com a alta da Selic?

continue lendo -->

SABE Alerta

Assine e tenha acesso às melhores informações
para fundamentar suas decisões de investimentos em ações.