Siderurgia – Recuperação com redução da dívida!

SABE

notícias

voltar

Siderurgia – Recuperação com redução da dívida!

09/01/2018

 O Setor de Siderurgia e Metalurgia é composto de onze companhias abertas com ações na bolsa. Segundo os números dos balanços dos nove primeiros meses de 2017, apenas cinco empresas deram lucros. Entretanto, o setor como um todo se recuperou: no mesmo período de 2016 somente três companhias deram lucro. O prejuízo acumulado nos 9M2016 foi de R$ 1,4 bilhões contra um lucro acumulado nos 9M2017 de R$ 2,3 bilhões.


Três empresas detêm 85% das receitas: Gerdau Siderúrgica com 34%, Gerdau Metalúrgica com 34% (portanto, Grupo Gerdau detém 68%) e Siderúrgica Nacional com 17%. O total das receitas nos 9M2017 foi de R$ 79,7 bilhões contra R$ 82,5 bilhões nos 9M2016, representando uma queda nominal de 3,39%. O maior crescimento em vendas nos 9M2017 contra igual período de 2016 ficou com a Usiminas, cujas receitas subiram 20,89%.

O desempenho como um todo das companhias do Setor de Siderurgia e Metalurgia foi muito bom: embora tendo receitas com queda real de cerca de 6%, os lucros voltaram a aparecer, o EBITDA teve um expressivo aumento de 36% e alavancagem financeira medida pela relação anualizada dívida/EBITDA despencou quase 32%, atingindo o nível de 5,47x nos 9M2017. O ROE (retorno do acionista) acompanhou a recuperação do setor atingindo num cálculo anualizado pouco mais de 4% nos nove primeiros meses de 2017.

Dos 9M2017 para o mesmo período de 2016, as quedas expressivas de receitas foram de: Paranapanema (- 35%) e Fibam (- 20%), enquanto que os aumentos mais expressivos ficaram com: Usiminas (+ 21%), Panatlantica (+ 17%) e Aliperti (+ 14%). Com relação às variações de lucros nos mesmos períodos, Ferbasa, Gerdau Metalúrgica e Usiminas reverteram seus prejuízos em lucros nos 9M2017 e, particularmente, Gerdau Siderúrgica logrou um expressivo aumento de quase cinco vezes no seu resultado líquido, saindo de R$ 188 milhões nos 9M2016 para R$ 1,05 bilhões nos 9M2017.

 Sobre o endividamento, observamos redução expressiva do grau de alavancagem financeira das grandes companhias do setor: Usiminas ( -76%), Gerdau Metalúrgica ( -32%), Gerdau Siderúrgica ( -29%), além de Sid Nacional ( -19%). Entretanto, o nível da relação anualizada dívida/EBITDA dessas quatro empresas continua muito elevado nos 9M2017, a saber: Usiminas (3,72x), Gerdau Metalúrgica (4,42x), Gerdau Siderúrgica (4,54x) e Sid Nacional (8,30x).

e-Book

Pela comparação dos números dos balanços dos 9M2016 versus 9M2017, os destaques positivos são de Gerdau Siderúrgica e Usiminas pelo bom desempenho: crescimento expressivo dos lucros, da geração de caixa medida pelo EBITDA e pela forte redução da alavancagem financeira, o que permitiu significativa melhora da rentabilidade patrimonial. Neste quesito quem ostenta o melhor ROE anualizado é a Ferbasa: 18,42%, comparável à de um banco de grande porte.

O destaque negativo vai para Fibam, por conta de prejuízos recorrentes, geração negativa de caixa e passivo a descoberto nos dois períodos do estudo.

O SABE Alerta é apenas a “ponta de um iceberg” quando comparado ao acervo de informações que o Big Data SABE tem à disposição de investidores e gestores de investimentos em ações. São 120.000 demonstrações financeiras padronizadas de TODAS as companhias abertas desde 1994 que, junto com os preços de suas ações ajustadas dos últimos cinco anos permitem à nossa equipe técnica elaborar relatórios técnicos com informações seguras para investidores e profissionais do mercado.

Acompanhe os artigos técnicos publicados no Blog SABE e conheça o SABE Intelligence, a maneira revolucionária de selecionar empresas saudáveis com a inteligência artificial e tomar decisões de investimentos em ações com maior probabilidade de acerto.

Luiz Guilherme Dias
Equipe SABE Inteligência em Ações

Comentários