SABE

notícias

Serviços Médico-Hospitalares: Lucros caem 15% no 1º Trim 2020!

12/06/2020

Em 2019 o Setor de Serviços Médico-Hospitalares como um todo teve um desempenho inexpressivo com aumento nominal de 2,5% em seus resultados, mas com baixo grau de endividamento (2,7 vezes) e um ROE de 11%. No 1º trimestre de 2020 o desempenho do setor veio pior: queda de 15% nos resultados, aumento do nível de endividamento para 2,9 vezes e ROE anualizado de 10%.

continue lendo -->

Alimentos e Bebidas: Indústria e Comércio em queda no 1º Trim 2020!

10/06/2020

Depois de alcançar um crescimento expressivo em 2019 com aumento de 126% em seus resultados, o desempenho do setor de Alimentos e Bebidas como um todo foi muito ruim no 1º trimestre de 2020, a exceção do segmento Agrícola. O Comércio sofreu os fortes efeitos da pandemia com lojas físicas fechadas, amargando prejuízos. E a Indústria foi prejudicada pelo tombo do resultado da gigante JBS, trazendo um prejuízo de R$ 5,9 bilhões. A Ambev, também sofreu com uma queda de 127% do lucro para R$ 1,2 bilhões no último trimestre.

continue lendo -->

Setores: só TI escapou!!

05/06/2020

Os resultados líquidos (soma de lucros e prejuízos) de 238 companhias listadas na B3 com balanços publicados até 2 de junho caíram expressivamente do 1º Trim 2019 para o mesmo período deste ano, em mais de 100%, acumulando perdas de R$ 78 bilhões.

continue lendo -->

Dívida das empresas explodem no 1T2020!!

05/06/2020

Com resultados líquidos em queda vertiginosa e dívidas com forte aumento no 1T2020, percebemos um quadro de grande preocupação para as empresas da bolsa, explicado principalmente pelo impacto provocado pela COVID-19, quando comparamos os números dos balanços contra igual período de 2019. Dado que a doença se manifestou a partir da 2ª quinzena do último mês do 1º trimestre deste ano, é de se esperar que os balanços do 2º trimestre de 2020 venham piores.

continue lendo -->

Lucros despencam já no 1T2020!!

03/06/2020

O desempenho total, medido pela soma dos resultados líquidos do 1T2020, mostrou a “cara feia” da economia com o impacto provocado pela COVID-19 tanto para as companhias não financeiras quanto para os bancos, quando comparamos os números dos balanços contra igual período de 2019. Mesmo considerando que 133 companhias não publicaram seus balanços até o fim de maio, vemos um cenário bastante preocupante, pois a doença se manifestou somente a partir da 2ª quinzena do último mês do 1º trimestre deste ano.

continue lendo -->

Educação superior em queda!

27/05/2020

Das 4 companhias do setor de Educação em bolsa, a que apresentou o melhor desempenho nos últimos 5 anos e no 1T2020 foi a YDUQS PART: maior lucro em 2019 (R$ 646 milhões), e no 1T2020 o menor grau de endividamento anualizado (1,3 vezes) e o maior ROE (retorno do acionista) anualizado (20,5%), o que vale dizer que a cada 5 anos a companhia dobra de tamanho. A expressiva valorização das ações YDUQS ON (YDUQ3) de 113% nos últimos 5 anos, acima do Ibovespa e da renda fixa, reflete o bom desempenho da companhia.

continue lendo -->

16% das Companhias da B3 concentram o mercado

22/05/2020

De um total de 289 companhias, apenas 47 (cerca de 16%) de 21 setores, tiveram o maior volume de vendas em 2019. Na média essas companhias alcançaram 70% do total das vendas realizadas, caracterizando forte concentração de mercado.

continue lendo -->

Magazine Luiza X Via Varejo

20/05/2020

MAGAZINE LUIZA teve nos últimos 5 anos bons fundamentos com um desempenho crescente e consistente, tanto em termos econômicos quanto o de sua ação; os números do 1T2020 devem confirmar essa tendência. Por outro lado, VIA VAREJO apresentou nos últimos 5 anos um desempenho fraco, com EBITDA negativo, prejuízo elevado e alto endividamento em 2019; os números do 1T2020 estão melhores, mas ainda ruins (exceção para o EBITDA); o comportamento errático da companhia se reflete em sua ação, mas não fundamenta sua expressiva valorização em 2020.

continue lendo -->

Por que a ação da WEG é a única do Ibovespa que ainda sobe em 2020?

23/04/2020

Veja 5 razões que ajudaram a companhia a sofrer menos que outras empresas da Bolsa diante da crise do coronavírus.

continue lendo -->

SABE Alerta

Assine e tenha acesso às melhores informações
para fundamentar suas decisões de investimentos em ações.